Meu Filho você é muito importante para nós!!!




Recados Para Orkut - Click Aqui! http://www.recados.net

terça-feira, 30 de dezembro de 2008


"ALÇANDO VOO"

"Imaginem onde querem estar... e assim será"
Do personagem Maximus, no filme Gladiador.
Quem disse que nos achamos restritos à prisão do nosso corpo?
Alcemos voo!
Não subsestimemos o poder insuspeitado da nossa imaginação.
Nela é implícita a alavanca das leis potentes da sintonia - da tão propalada Lei da Atração!
Através dela alçamos voos rumo a pessoas e lugares

os mais distantes.
Decolando a partir da imaginação, concretizamos a todo momento situações desejadas - e indesejadas;
atraímos seres amados e imbuídos em mesmo entendimento e intenção; solucionamos problemas antes aparentemente insolúveis - outros são criados por invigilância, por descuido para com o funcionamento desta Lei soberana nas dimensões todas do Universo.
Assim, não esmoreci a fé.
Pensei saúde nas aflições orgânicas, nos desassossegos

eventuais da alma:
e saúde e paz de espírito me brindam!
Pensei comunhão, solidariedade e companheirismo - e eis ao meu redor seres afins em ideais de amor, de harmonia,

de veneração à vida!
Pensei realização, co-criação, renovação - e alcei voo rápido rumo a situações floridas que coloriram e me renovaram os cenários

do dia-a-dia!
Não lamentemos o mal - realizemos o bem!
Não falemos de derrotas - só admitamos a vitória!
Não cultivemos mágoas e recordações tristes - insistamos na página em branco do agora, pleno de possibilidades de felicidade!
Não nos iludamos com sombras e morte - são contrastes fugazes

da Luz eterna da Vida!
Escolham, pois, convictos, as vossas metas!

Não há restrições nem limites!
E alcem voo!

O que alcançarão será, em tempo certo, e rigorosamente, não menos que a medida exata dos vossos mais secretos sonhos!

"A SEMEADURA É LIVRE - A COLHEITA, OBRIGATÓRIA!"

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

A Evolução de Cada Um


"A EVOLUÇÃO DE CADA UM"

Muito do que acontece nesta vida, além de estar programado, muitas vezes surpreende pelo rumo tomado ao longo de séculos.
Sabemos que viemos de outros mundos.
Que já fomos bem inferiores ao que somos hoje, apesar de não
sermos nada.
Mas se pudéssemos voltar aos primórdios, se voltássemos à origem de tudo, perceberíamos que evoluímos muito, que somos grandes, que somos de certa forma importantes, pois já fomos tão insignificantes quanto uma pedra e nesta comparação vemos que evoluímos
um bom tanto.
Mas quando nos deparamos com seres 'verdadeiramente' evoluídos, bons, próximos à perfeição, percebemos que não temos nem a importância de uma pedra.
Tudo isto para falar sobre a tragédia que assolou parte do país; uma pequena parte, mas que sem ela o Brasil ficaria menor.

O que acontece lá, assim como em outras épocas, como 1983, 1998 e outras tantas, são consequências de débitos coletivos.
Irmãos que precisavam rever situações e pendências antigas,
muito antigas.
Muitos deles que também foram vítimas do Holocausto, que também sofreram horrores.
Que diante de certas épocas, hoje podem se dar por felizes, pois já foi, com certeza, muito pior.
Um povo que ajuntou débitos há muito tempo e que, por escolha e consentimento, continua junto na luta pela evolução, pela quitação, pela reparação de danos também causados coletivamente.
Não digo que todos os que lá se encontram estão na mesma condição de devedores, porque muitos lá se encontram por serem mais evoluídos, por já terem um entendimento maior e para ajudar como ombro amigo, como incentivo os que lá estão e não compreendem o por quê.

Mas posso dizer que a maioria está junto nesta empreitada há bastante tempo e estão no caminho certo para alcançarem uma vida menos sofrida. São pessoas religiosas e tementes a Deus.
A maioria conseguiu entender que Deus é 'Maior' e que, aconteça o que acontecer, Ele sempre está presente.
Que Deus é justiça e misericórdia, que apesar dos impropérios, eles conseguirão se reerguer e continuar a batalha.
A maioria tem a certeza da vitória, através da fé,
da caridade e da resignação.
Tudo voltará ao que era e eles sairão fortalecidos.
Graças à bondade Divina, tiveram mais uma vez a oportunidade de mostrar a fé no Criador.
Deus olha por eles e se compadece como um pai sente quando
um filho se machuca.
Como bom pai que é, ampara e dá o necessário para que
a vida continue.
Assim é naquele pedaço de chão, assim como em outros menos trágicos ou mais violentos.
Cada um está onde deveria estar.

Cada um tem aquilo que deu.
Cada um recebe de acordo com suas obras nesta, mas muito
mais em outras vidas.
Em resumo, colhemos o que plantamos.
Os irmãos do sul estão ainda colhendo o pouco que lhes resta de más sementes e daqui pra frente começarão a colher a safra de boas sementes. Sementes que estão dando frutos, mas ainda estão verdes e impróprias para o consumo.
Mas vão amadurecer e acabar com a fome de um povo carente.
Que Deus nos abençoe a todos e que não deixemos de pensar um só minuto em plantar para colher.

Oremos sempre.
Vigiar é bom para não deixar a porta aberta a ladrões
e mal intencionados.
Mas oremos ao mesmo tempo que semeamos sementes férteis
e de boa qualidade.
E aguardemos a colheita, pois esta é certa.
Um abraço fraterno,
Assinado : Josué (psicografia)
Data : 04 de novembro de 2008
Local : Sorocaba (SP)
Médium. S.A.O.G.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Saudade

"SAUDADE"

"Diversas pessoas que nos visitavam pela primeira vez haviam perdido entes queridos. Duas senhoras choravam intensamente solicitando algo que as consolasse após a desencarnação de filhos amados.
Aberta a reunião, os estudos recaíram no item 21 do capítulo V de O Evangelho Segundo a Espiritismo, cuja leitura e interpretação foram brando consolo em auxílio de nós todos.
Ao término das tarefas indicadas para a noite, o nosso Amigo Espiritual de sempre, por nosso intermédio escreveu a mensagem que lhe passo às mãos."
Chico Xavier


Na Terra, quando perdemos a companhia de seres amados, ante a morte, sentimo-nos como se nos arrancassem o coração.
Ânsia de rever sorrisos que se extinguiram, fome de escutar palavras que emudeceram.
E muitas vezes tudo o que nos resta no mundo íntimo é um veio de lágrimas estanques, sem recursos de evasão, pelas fontes dos olhos.
Compreendemos, sim, neste outro lado da vida, o suplício dos que vagueiam entre as paredes do lar ou se imobilizam no espaço exíguo de um túmulo, indagando porquê....
Se a saudade, a distância e o vazio te atormentam o espírito, asserena-te e ora, como saibas e como possas, desejando a paz e a segurança dos entes inesquecíveis com os quais conviveu.
Lembra aqueles que não mais te compartilham as experiências, mas
não porque a pessoa desapareceu para sempre,
e sim porque está ausente.
Os que rumaram para outros caminhos, além das fronteiras que marcam a desencarnação, também lutam e amam, sofrem e se renovam. Enfeita-lhes a memória com as melhores lembranças que consigas enfileirar e busca tranqüilizá-los com o teu amor.
Se te deixas vencer pela angústia, ao recordar-lhes a imagem, sempre que se vejam em sintonia mental contigo, hei-los que suportam angústia maior, de vez que passam a carregar as aflições
maiores que as tuas.
Chora, quando não possas evitar o pranto.
No entanto, converte quanto possível as próprias lágrimas em
bênçãos de trabalho e preces de esperança, porquanto Eles todos te ouvem o coração na Vida Superior, sequiosos de se reunirem contigo para o reencontro no trabalho do próprio aperfeiçoamento,
à procura do amor sem adeus.

Do livro "Na Era do Espírito"
Psicografia: Francisco Cândido Xavier e Herculano Pires
Espíritos Diversos

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Segunda Mensagem de Minha Mãezinha


Mensagem recebida no Centro a Caminho da Luz em 16/10/08


Querida Irene,

Com carinho imenso, estou aqui para poder te abraçar e matar as saudades, que são muitas.
As bênçãos que Jesus nos proporciona são muitas e devemos
agradecer por isso.
Já estava há algum tempo, querendo me comunicar através
da escrita com você.
Esse tempo é agora filha amada.A vida na espiritualidade é cheia de surpresas encantadoras, e de responsabilidades também.
Não existe o Inferno e o Céu como a tradição nos ensina, tudo aqui é perfeito, o progresso de cada um de nós continua, somos chamados a continuar a evolução, através dos estudos que são variadíssimos, de acordo com a vocação de cada um, e trabalhos que nos estimulam a ser mais fraternos, amigos uns dos outros.
Aqui ninguém é obrigado a fazer o que não quer, temos muitas opções. Confesso a você que no começo foi difícil à adaptação, os costumes. Tive muitas saudades do lar, dos parentes, das minhas coisas,
isso é normal sentir.
Com o tempo, os dias acontecendo, fazendo amizades, recebendo visitas de parentes que já estavam na espiritualidade, eu fui vencendo aos poucos as dificuldades.
Filha, a vida nos reserva muitas surpresas, coisas que nem imaginávamos acontecem, isso ocorre com todos nós.
Às vezes ficamos lamentando os fatos sem parar, chegando ao ponto, de deixar os outros, que convivem conosco nervosos e aí surgem
os desentendimentos.
Quando isso ocorrer, mantenha a calma e procure entender a pessoa que está momentaneamente nervosa, o silêncio nessas horas,
é um ótimo remédio.
Sei da mulher forte que você é, e me orgulho disso. Continue com a sua fé, ela lhe dará sempre a certeza da vitória.
Eu desejo para você toda a felicidade do mundo, torço para que continue sendo essa pessoa maravilhosa que me deu muitas alegrias, aliás, todos os meus filhos, foram dádivas do
Criador para mim.
Eu e seu pai podemos dizer que fomos e somos felizes
por vocês existirem.
Filha que a paz de JESUS abençoe a todos nós,

Tereza


Fiquei muito feliz ao receber a segunda mensagem de minha mãezinha querida. É muito confortador recebermos essas notícias, comprovando que os nossos laços de amor são eternos.
Principalmente por vir cheia ou carregada de ensinamentos, nos confirmando ou provando que a vida continua...

Irene Ibelli

Primeira Mensagem de Minha Mãezinha


Mensagem recebida no Centro Segue a Jesus em 12/01/2008


Filha querida, saber agradecer é uma grande dádiva que Deus nos ensina diariamente e que bem pouco praticamos,

saber ser grato por tudo.
Aqui estou de coração cheio de gratidão a ti e a todos
os nossos por tudo.
Pela paciência, pela colaboração, pelas broncas nas horas certas, pelas dores que muito me ensinaram e me perdoem por tudo, se eu ainda não soube valorizar a família abençoada que Deus me concedeu.
Me perdoem talvez deixei de dizer que os amo, eu os amo muito, saibam que cada um mora em meu peito em lugar especial. Saibam que embora não tenha dito, sempre estavam presentes em meus pensamentos e em minhas preocupações.
Daqui peço ao Santo Deus, que os ajude em suas lutas diárias e que prossigam com clareza e entendimento.

Busquem Jesus e seus ensinamentos, busquem ser mais
humanos e companheiros.
Busquem estar com a família, é muito bom estar reunidos em torno de uma mesa com os entes queridos.
Busquem se ajudar com aqueles “que julgamos ser nossos inimigos”, busquem a Paz em seus corações e em seu dia-a-dia, lembrem-se de uma oração ditada pelo coração.
Sejam felizes, pois a vida continua, procurem praticar o bem e o bem aparecerá em seus dias.
Um abraço forte,

Tereza


Depois de treze anos recebemos esta mensagem linda de nossa querida mãezinha. Agradecemos a DEUS por esta dádiva tão maravilhosa que nos concedeu,dádiva esta que nos deixou com muita saudade de nossa mãezinha, pessoa carinhosa, bondosa e muito amada por todos nós.


Irene Ibelli



segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

A Nossa Missão

"A Nossa Missão"

“Cá me encontro neste recinto com o intuito de alentar-lhes os corações quanto aos acontecidos em vossas vidas.
Venho a vós irmãos brasileiros para que saibam que não estão sós nesta caminhada e que o mundo espiritual e seus colaboradores estão trabalhando diuturnamente para que tenham tranqüilidade necessária para que não esmoreçam diante de algumas perturbações que, muitas vezes, levam a querer buscar outros caminhos.
Tudo passa nesta vida e em outras, mas para que tudo passe, precisamos laborar, buscar avidamente por isso.
Se bem pensássemos, daríamos graças ao Pai pelas pedras que nos atravancam o caminho, pois a cada pedra transposta, damos um passo a mais em direção à felicidade e à sensação de dever cumprido.
Estejamos em paz com nossa consciência e nosso coração.
Façamos, pois, nossa parte, sem querer exigir idêntico do
irmão agastado.
Causos tantos nos ocorrem que nos fazem pensar melhor em nossa missão enquanto encarnados.
Bons ventos, bons ares, boas brisas avançam em direção a vós e como depois de tempestade, volta à calmaria e o barco volta a navegar como dantes em águas mansas.
Tendes vós o celeiro da caridade, do amor e da fraternidade impregnados em vós, pois tendes vós a felicidade de habitar
terras brasileiras.
Terras preparadas e abençoadas por Deus e por ele escolhidas para o início de uma nova era.
É aqui que se dará o divisor de águas entre o que foi antes
e depois desta Doutrina.
A missão que vos foi dirigida é de suma importância.
Sois cordeiros de Deus por Ele escolhidos na propagação desta Doutrina, que, embora tenha como berço país distante, somente o foi pelo fato de que nesta terra, ainda nova demais, criança demais, não havia obreiros preparados para entender o que estava por vir.
Veio de longe o esclarecimento, o descerramento de véus que ocultavam tão grande novidade e tão grande missão.
Nosso amado Kardec não nasceu em terras tão distantes por
mero acaso.
Lá pode ser e expor a que veio.
Portanto, caros amigos, trabalhem incansavelmente, incessantemente para propagar o bem e mostrar que o mundo envolvido pelo amor pode ser muito melhor.
Que a vossa missão seja cumprida com esmero, carinho e dedicação.
Que Deus Pai vos cubra com seu manto.
Um abraço do compatriota que viveu em outras eras na bela cidade do Porto, mas que dia virá em que voltará como brasileiro, pois muito me faz gosto esta pátria abençoada”.

Assinado : Dom Joaquim (psicografia)
Data : 02 de outubro de 2008
Local : Sorocaba ( SP )
Médium : S.A.O.G.

domingo, 14 de dezembro de 2008

Partida de Entes Queridos

"Parentes mortos"

Não olvides que além da morte continua vivendo e lutando o espírito amado que partiu...
Tuas lágrimas são gotas de fel em sua taça de esperança.
Tuas aflições são espinhos a se lhe implantarem no coração.
Tua mágoa destrutiva é como neve de angústia a congelar-lhe os sonhos.
Tua tristeza é sombra a escurecer-lhe a nova senda.
Por mais que a separação te lacere a alma sensível, levanta-te e segue para frente, honrando-lhe a confiança com a fiel execução das tarefas que o mundo te reservou.
Não vale a deserção do sofrimento, porque a fuga é sempre a dilatação do labirinto que nos arroja à invigilância, compelindo-nos a despender longo tempo na recuperação do rumo certo.
Recorda que a lei de renovação atinge a todos e auxilia quem te antecedeu na grande viagem com o valor de tua renúncia e com a fortaleza de tua fé, sem esmorecer no trabalho, nosso invariável caminho para o triunfo.
Converte a dor em lição e a saudade em consolo porque, de outros domínios vibratórios, as afeições inesquecíveis te acompanham os passos, regozijando-se com as outras tuas vitórias solitárias, portas adentro de teu mundo interior.
Todas as provas objetivam o aperfeiçoamento do aprendiz e, por enquanto, não passamos de meros aprendizes na Terra, amealhando o conhecimento e a virtude, em gradativa e laboriosa ascensão para a Vida Eterna.
Deus, a Suprema Sabedoria e a Suprema Bondade, não criaria a inteligência e o amor, a beleza e a vida para arremessá-las às trevas.
Repara em torno dos teus próprios passos.
A cada noite no mundo, segue-se o esplendor do alvorecer.
O inverno áspero é sucedido pela primavera estuante de renascimento e floração.
A lagarta, que hoje se arrasta no solo, amanhã librará em pleno espaço com asas multicores de borboleta.
Nada perece.
Tudo se transforma na direção do Infinito Bem.
Compreendendo, desta forma, a Verdade, entesourando-lhe as bençãos, aprendamos a encontrar na morte o grande portal da vida e estaremos incorporando, em nosso próprio espírito, a luz inextinguível da Gloriosa Imortalidade.
Emmanuel
Médium: Francisco Cândido Xavier
Fonte: http://luizliberti.net/mensagens

Almas Enfraquecidas


"AOS ENFRAQUECIDOS NA LUTA"

Almas enfraquecidas, que tendes, muitas vezes, sentido sobre a fronte o sopro frio da adversidade, que tendes vertido muitos prantos nas jornadas difíceis, em estradas de
sofrimentos rudes, buscai na os vossos imperecíveis tesouros!
Bem sei a intensidade da vossa
angústia e sei de vossa
resistência ao desespero.
Ânimo e coragem!
No fim de todas as dores, abre-se uma aurora de ventura imortal;
dos amargores experimentados, das lições recebidas, dos ensinamentos conquistados à custa de insano esforço e de penoso labor, tece a
alma sua auréola de eternidade gloriosa;
eis que os túmulos se quebram e da paz cheia de cinzas e sombras, dos jazidos, emergem as vozes comovedoras dos mortos.
Escutai-as!.., elas vos dizem da felicidade do dever cumprido, dos tormentos da consciência nos desvios das obrigações necessárias.
Orai, trabalhai e esperai.
Palmilhai todos os caminhos da prova com destemor e serenidade.
As lágrimas que dilaceram,as mágoas que pungem,
as desilusões que fustigam o coração, constituem elementos atenuantes da vossa imperfeição, no tribunal augusto, onde
pontifica o mais justo, magnânimo e íntegro dos juízes.
Sofrei e confiai, que o silêncio da
morte é o ingresso para uma outra vida, onde todas as ações estão contadas e gravadas as menores expressões dos nossos pensamentos.
Amai muito, embora com amargos sacrifícios, porque o
amor é a única moeda que assegura a paz e a felicidade no Universo.
Não nos iludamos. Mais dia, menos dia, todos sofrem.

Há, contudo, quem sofra com revolta, com desânimo ou com desespero, perdendo o valor da prova em que se vê.

Emmanuel

Médium: Francisco Cândido Xavier

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Notícias do Alto


“PERDA DE ENTES QUERIDOS”

Habitualmente, vivemos o nosso dia a dia, sem pensarmos na morte que nos apavora, porque desconhecemos as suas leis e, se cremos na continuação da vida no Além, fazêmo-lo duma forma vaga, afirmando:
“ Eu só sei que ninguém volta para contar como é”.
Não sabe. Porque desconhece e não porque os espíritos não tenham se comunicado ao longo dos séculos, tentando ilustrar com as suas histórias pessoais como é a passagem, logo após o desencarne.
André Luiz escreveu 16 livros descrevendo essa transição e toda a complexidade da evolução, mostrando-nos que o único valor cultivado dum e doutro lado da vida continua a ser o Amor ao próximo e a Deus. Mas, muitos outros espíritos o fizeram e fazem também, como Emmanuel, Joana de Ângelis…
Através da mediunidade abençoada de Chico Chavier, muitos entes queridos se manifestaram a seus familiares, ansiosos por afirmar que PERMANECEM VIVOS e para pedir aos que deixaram na terra maior resignação pela sua partida e mais fé em Deus na certeza do REENCONTRO.
É de fato, uma das maiores dores que experimentamos, ao perdermos temporariamente alguém a quem muito amamos. Todavia, todos enfrentamos essa prova um dia, queiramos encará-la ou não.
Temos de preparar as nossas forças e coragem, pois se é natural chorarmos de saudade num dado período, já o não é tanto, caso prolonguemos o nosso luto indefinidamente, revoltando-nos contra Deus e vendo esse desenlace como um castigo.
É de fato uma prova muito dolorosa, mas quantas vezes a misericórdia Divina ao retirar alguém do nosso convívio, sobretudo, quando se trata de um jovem, não evita maiores infelicidades no futuro para esse espírito que ainda não teve oportunidade nesta vida
de se endividar?
Muitos vieram contar as razões pré-fixadas para terem desencarnado prematuramente, já que sabemos que muitas provas são escolhidas antes do nascimento, pelo próprio espírito, que possui o livre-arbítrio.
É muito consolador ler os livros de filhos como Luiz Sérgio(1) e Cássio(2) cuja partida tantas lágrimas causou e cujos relatos posteriores, imensa alegria e resignação deixaram nos corações de seus pais.
Todos eles descrevem como foram recebidos pelos familiares amigos, falecidos anteriormente, afirmando que se as orações eram sempre um bálsamo e uma alegria de saberem que eram lembrados, o desgosto e as lágrimas em excesso lhes causavam perturbação e ansiedade pela ausência de fé que os que ficaram demonstravam, adiando assim, o ansiado reencontro, deixando de cumprir as responsabilidades que a todos compete no dia a dia, ao revoltarem-se e entrarem em depressões e outros processos tanto ou mais dolorosos do que
a perda sofrida.
Quantas tragédias se desenrolam nos lares ao pensarmos que perdemos para sempre aqueles que amamos!!!
Que sofrimento lhes causamos sem saber, sintonizando com eles que nos lêem os pensamentos infelizes e destruidores do seu equilíbrio, pela saudade que também sentem do ambiente familiar que
acabam de deixar!!!
Se nem todos nós recebemos a bênção de uma notícia isso deve-se a múltiplos fatores: as circunstâncias não se proporcionam; não é fácil a comunicação entre os dois lados da vida; a mediunidade que permite receber mensagens diretas é uma mediunidade complexa (que falta faz o Chico!); o espírito passa, no início, por uma fase de adaptação e perturbação, sobretudo, se a sua foi uma morte violenta ou repentina, por acidentes…o tempo que a nós parece longo ( 2 ou 3 anos) é encarado pelo espírito como muito curto numa outra dimensão; na comunicação, previamente preparada pelos amigos espirituais, criando a sintonia entre espírito comunicante e médium, é necessário, frequentemente, a ajuda e o aprendizado daquele que se quer comunicar para que a mensagem se concretize.
Cabe-nos advertir a todos os que choram os seus entes queridos e que anseiam pelo contato direto que tenham cuidado nas suas buscas, pois poderão ver defraudadas as suas expectativas e sentirem-se enganados por gente menos séria que faz da mediunidade um negócio, atraindo pelas leis da afinidade espíritos pouco elevados, ainda agarrados aos vícios e irresponsabilidades que cultivaram na terra.
Quase todos os Centros Espíritas, possuem um grupo de pessoas que se reúnem semanalmente com o objetivo de auxiliar encarnados e desencarnados. Passemos a frequentar um deles, ouvindo e estudando o Evangelho de Jesus e, abrindo o nosso coração a esses médiuns amigos.
Quem sabe um dia não teremos a enorme consolação de receber
notícias do Alto?
Também, aqueles que amamos recebem nossos pensamentos e
sentem amor por nós.
Visitam-nos e entram nos nossos sonhos.
Quem não viveu já momentos em que as recordações afluem de forma mais intensa, parecendo que aquele que nos deixou, se encontra presente, causando-nos até alguns arrepios ou emoção?
Alarguemos a nossa compreensão e entreguemos nossas dores a Deus, confiando num futuro mais harmonioso e feliz.
Joana

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Amor Eterno

"AMOR ETERNO"
Mesmo que nossos entes queridos estejam em outra dimensão, não podemos desistir deles, vamos enviar a eles vibrações de amor, de luz e mesmo de saudade, pois o nosso sentimento de amor é eterno, e esse amor nos acompanhará pelo infinito.
Isto para mim tem sido um alento muito grande, tem me fortalecido dia após dia, principalmente por saber que meu filho Erick, através de seu esforço, alcançou a compreensão e o entendimento de dar inveja a qualquer um de nós mortais.
Amo muito meu filho para ser egoista e querer que ele continuasse aqui na Terra, se ele cumpriu
o tempo que precisava.
A saudade, às vezes, nos deixa muito tristes e angustiados, mas não vamos nos entregar à tristeza e sim relembrar os momentos maravilhosos que vivemos ao lado de nossos entes queridos.
Agindo assim, estaremos dando a tranquilidade que eles precisam para continuarem o caminho que precisam seguir, o da evolução.
Nossos filhos e entes queridos apenas mudaram de dimensão, a morte é apenas uma transformação.
Eu sinto meu filho muito iluminado, ligado a mim pelo pensamento e cada vez mais materializado dentro do meu coração.
Não pensem na outra dimensão a quilómetros de distância de nós, ela está muito mais perto, do que nós podemos imaginar.

Como o Erick disse na última mensagem:

"Jesus é e sempre será o nosso irmão de luz, que vai abrindo os nossos caminhos minha mãe, agradecemos por esta tarde tão intensa de oração aqui nessa casa de luz, que está permitindo esse nosso encontro tão feliz, mesmo que seja
mentalmente
dentro de nossos corações."
Irene Ibelli

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

A Visão Espírita da Morte


"A visão espírita da morte"

Para entender a atitude dos espíritas diante da perda de entes queridos, é preciso entender a visão espírita da morte. O que é a morte para o espírita?
Em primeiro lugar, a destruição do corpo físico, que é um fenômeno comum a todos os seres biológicos. Segundo, a morte é um instante em meio a um caminho infinito. E em terceiro lugar, a morte é uma transição e não um ponto final.
Há que se considerar também que o espírito está permanentemente em processo de crescimento e renovação e a morte é a forma de forçar esta renovação, mudando am-bientes e projetos de vida.
Esta visão um tanto pragmática e aparentemente fria da morte não exclui a existência de sentimentos e emoções, porque tanto quanto sentimos mais ou menos fortemente a separação geográfica entre duas pessoas e ansiamos por reencontrarmos aqueles que estão longe, assim também ansiamos por ter novamente conosco os que se foram.
Mesmo na vida física há separações que são traumáticas, longas e, às vezes, definitivas. Na morte, então, a saudade e a vontade de ter outra vez aquele que se foi é perfeitamente natural e compreensível, mas a certeza da retomada do afeto e de projetos comuns no futuro é profundamente consoladora e faz com que a esperança possa ser tranqüila e confiante.

Por que é tão doloroso ainda para nós o fenômeno da morte física, com a separação dos entes que amamos?
Mauro Operti – Exatamente porque os amamos, queremos tê-los continuamente junto a nós. Isto não precisa de explicação, é natural. Vivemos em função dos outros. Tudo o que fazemos na vida tem como referência o outro. Se o outro que amamos se vai,
como não sentir?

É licito procurarmos o contato com entes que partiram, já que a morte não é o fim?
Mauro Operti – Perfeitamente, desde que a nossa atitude mental e as nossas emoções estejam equilibradas. Por outro lado, toda vez que tentamos o contato com o mundo espiritual, temos que ter certeza de que os meios dos quais dispomos (ambiente, médiuns etc.) sejam apropriados para a nossa intenção. De qualquer modo, temos que ser prudentes quando intentamos qualquer contato com o mundo espiritual. E mesmo que a nossa intenção seja boa ou a nossa saudade muito grande, as leis da comunicação mediúnica continuam em vigência. Mas, de qualquer maneira, se a misericórdia divina nos forneceu os meios de comunicação, é perfeitamente razoável buscarmos o contato com aqueles que nós amamos. Quem não anseia uma palavra de afeto de quem está longe? É profundamente consoladora esta certeza.

O que se pode dizer às pessoas que buscam o centro espírita com profundo desejo de receberem uma mensagem de um ente querido que já partiu?
Mauro Operti – Em primeiro lugar, estar avisado de que este contato nem sempre é possível. Às vezes, passam-se meses ou anos antes de conseguirmos uma palavra ou uma mensagem. Nem os médiuns, nem os espíritos estão obrigados a nos dar a resposta que queremos. Se a misericórdia divina permitir, nós a receberemos, como muitos que já receberam. As evidências para alguns de nós são numerosíssimas, como é o meu próprio caso. Eu não tenho como negar o fato da sobrevivência pelo muito que já vivenciei ou já presenciei.

Qual a garantia de estarmos nos comunicando com nossos verdadeiros entes queridos?
Mauro Operti – As evidências para a comunicação entre mortos e vivos são de dois tipos: são subjetivas ou objetivas. As evidências objetivas são confirmações externas, através de fatos objetivos que deixam motivo para poucas dúvidas (ou nenhuma dúvida). É claro que, como acontece com a própria pesquisa científica, sempre se pode levantar hipóteses explicativas para os fenômenos. O que se faz é levar em conta a soma de evidências que levam, quase sem deixar dúvidas, a se aceitar que o fenômeno foi genuíno. Mesmo na pesquisa científica, isto também acontece. Na realidade, nada é definitivamente provado em ciência. Mas, para muitas coisas, o peso das evidências a favor de uma determinada explicação é tão grande que, do ponto de vista prático, é como se estivesse provado. É assim também com os fatos mediúnicos. Mas existem também as evidências subjetivas e essas são pessoais e intransferíveis. Eu não posso provar a uma outra pessoa que sonhei com um ente querido e que isto significa que eu realmente estive com ele, mas, interiormente, eu tenho certeza, pelo realismo das cenas vividas oniricamente e por detalhes que me trazem uma certeza interior que não pode ser transferida. E quando isto acontece, não me importa absolutamente o que o outro possa pensar da minha experiência.

As perdas vivenciadas por qualquer encarnado, quando acompanhados de sentimento de resignação e capacidade de perdão, podem se tornar um aprendizado, um treinamento que nos levaria a entender melhor a perda dos entes queridos?
Mauro Operti – Certamente, porque é o aprendizado da renúncia, a certeza de que não somos donos de nada, nem de ninguém. Que o que temos num certo momento nos pode ser tirado no outro e continuamos vivendo, continuamos lutando sempre com a visão do futuro.

O ente desencarnado assiste ao seu velório? Assim sendo, qual sua postura diante da demonstração de dor dos entes encarnados?
Mauro Operti – Nem sempre. Vai depender do próprio espírito e da assistência por parte dos seus amigos espirituais. Às vezes, ele não tem condições emocionais e está tão desarvorado que deve ser afastado do local. Outras vezes o seu estado de perturbação é tal que ele não tem consciência do que está se passando. Mas, muitas vezes, isso é possível.

A vontade de ver o ente que se foi, a saudade, não atrai o espírito do parente querido desencarnado? Isto pode levar a uma obsessão?
Mauro Operti – Depende do estado mental e emocional que acompanha esta vontade. Também depende das condições do espírito desencarnado, mas não há perigo em pensarmos com saudade nos nossos afetos desencarnados. Isto é uma expressão do carinho e da afeição que une dois seres. Como proibir? Seria, no meu modo de ver, uma falha das Leis Divinas não deixar que nos lembremos com carinho daqueles que um dia se foram.

Como proceder para saber se os entes queridos estão bem?
Mauro Operti – Rezar, pedir a Deus que lhe permita sentir o carinho daquele de quem você gosta. Com o tempo e a prática aprendemos a nos dirigir mentalmente àqueles de quem gostamos e as evidências subjetivas que colhemos desses contatos nos dão a certeza de que realmente estivemos com eles. Mas é preciso aprender a fazer as rogativas mentais com tranqüilidade, confiança e a certeza da assistência espiritual de nossos guias. Peçamos a Jesus acima de tudo e esperemos com serenidade.

Que mensagem você daria para as pessoas que perderam seus entes queridos e acreditam que nunca mais irão encontrá-los?
Mauro Operti – Para estas pessoas eu diria que Deus não cometeria esta maldade de separar definitivamente dois seres que se amam. A essência da vida é o outro. Por que Deus juntaria num breve tempo de uma existência duas criaturas que se sentem felizes de estar juntas e depois as separaria pela eternidade? A certeza da sobrevivência que a prática espírita garante às criaturas está acompanhada da certeza da reunião daqueles que se amam depois da perda do corpo físico. Esta é a maior consolação que poderíamos desejar, mas não é só uma consolação piedosa, é uma certeza proveniente da vivência que, aos poucos, vai nos tornando mais seguros e menos propensos às crises de ansiedade e aflição que são tão comuns às pessoas hoje em dia. Temos certeza e sabemos, não apenas acreditamos.

Escrito por IRC-Espiritismo

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Mapa da Cidade Espiritual "Nosso Lar"


MAPA DE "NOSSO LAR"
1. No centro: Edifício da Governadoria,
2. Em torno, os 6 Ministérios, com seus respectivos prédios e moradias,
3. Ao alto: Parque das Águas,
4. Campo da Música,
5. Embaixo: Parque Hospitalar,
6. Casas, ou moradias de cidadãosde "Nosso Lar",
7. Árvores
Médium: Heigorina Cunha - "Cidade do Além"- IDE

domingo, 7 de dezembro de 2008

Eles vivem

"Eles vivem"

Ante os que partiram, precedendo-te na Grande Mudança, não permitas que o desespero
te ensombre o coração.
Eles não morreram.
Estão vivos.
Compartilham-te as aflições, quando te lastimas sem consolo. Inquietam-se com sua rendição aos desafios da angústia quando te afastas da confiança em Deus.
Eles sabem igualmente quanto dói a separação.
Conhecem o pranto da despedida e te recordam as mãos trementes no adeus, conservando na acústica do espírito as palavras que pronunciaste, quando não mais conseguiram responder as interpelações que articulaste no auge da amargura.
Não admitas estejam eles indiferentes ao teu caminho ou à tua dor.
Eles percebem quanto te custa a readaptação ao mundo e à existência terrestre sem eles e quase sempre se transformam em cirineus de ternura incessante, amparando-te o trabalho de renovação ou enxugando-te as lágrimas quando tateais a lousa ou lhes enfeitas a memória perguntando porque.
Pensa neles com a saudade convertida em oração.
As tua preces de amor representam acordes de esperança e devotamento, despertando-os para visões mais altas na vida. Quando puderes, realiza por eles as tarefas em que estimariam prosseguir e tê-los-ás contigo por infatigáveis zeladores de teus dias.
Se muitos deles são teu refúgio e inspiração nas atividades a que te prendes no mundo, para muitos outros deles és o apoio e o incentivo para a elevação que se lhes faz necessária.
Quando te disponhas a buscar os entes queridos domiciliados no Mais Além, não te detenhas na terra que lhes resguarda as últimas relíquias da experiência no plano material...
Contempla os céus em que mundos inumeráveis nos falam da união sem adeus e ouvirás a voz deles no próprio coração, a dizer-te que não caminharam na direção da noite, mas sim ao encontro de Novo Despertar.

Emmanuel
Médium: Francisco Câ
ndido Xavier

Ante os que Partiram

Ante os que Partiram

Nenhum sofrimento, na Terra, será talvez comparável ao daquele coração que se debruça sobre outro coração regelado e querido que o ataúde transporta para o grande silêncio.
Ver a névoa da morte estampar-se, inexorável, na fisionomia dos que mais amamos, e cerrar-lhes os olhos no adeus indescritível, é como despedaçar a própria alma e prosseguir vivendo.
Digam aqueles que já estreitaram de encontro ao peito um filhinho transfigurado em anjo da agonia; um esposo que se despede, procurando debalde mover os lábios mudos; uma companheira cujas mãos consagradas à ternura pendem extintas; um amigo que tomba desfalecente para não mais se erguer, ou um semblante materno acostumado a abençoar, e que nada mais consegue exprimir senão a dor da extrema separação, através da última lágrima.
Falem aqueles que, um dia, se inclinaram, esmagados de solidão, à frente de um túmulo; os que se rojaram em prece nas cinzas que recobrem a derradeira recordação dos entes inesquecíveis; os que caíram, varados de saudade, carregando no seio o esquife dos próprios sonhos; os que tatearam, gemendo, a lousa imóvel, e os que soluçaram de angústia, no ádito dos próprios pensamentos, perguntando, em vão, pela presença dos que partiram.
Todavia, quando semelhante provação te bata à porta, reprime o desespero e dilui a corrente da mágoa na fonte viva da oração, porque os chamados mortos são apenas ausentes e as gotas de teu pranto lhes fustigam a alma como chuva de fel.
Também eles pensam e lutam, sentem a choram.
Atravessam a faixa do sepulcro como quem se desvencilha da noite, mas, na madrugada do novo dia, inquietam-se pelos que ficaram... Ouvem-lhes os gritos e as súplicas, na onda mental que rompe a barreira da grande sombra e tremem cada vez que os laços afetivos da retaguarda se rendem à inconformação ou se voltam para o suicídio.
Lamentam-se quanto aos erros praticados e trabalham, com afinco, na regeneração que lhes diz respeito.
Estimulam-te à prática do bem, partilhando-te as dores e as alegrias.
Rejubilam-se com as tuas vitórias no mundo interior e consolam-te nas horas amargas para que te não percas no frio do desencanto.
Tranqüiliza, desse modo, os companheiros que demandam o Além, suportando corajosamente a despedida temporária, e honra-lhes a memória, abraçando com nobreza os deveres que te legaram.
Recorda que, em futuro mais próximo que imaginas, respirarás entre eles, comungando-lhes as necessidades e os problemas, porquanto terminarás também a própria viagem no mar das provas redentoras.
E, vencendo para sempre o terror da morte, não nos será lícito esquecer que Jesus, o nosso Divino Mestre e Herói do Túmulo Vazio, nasceu em noite escura, viveu entre os infortúnios da Terra e expirou na cruz, em tarde pardacenta, sobre o monte empedrado, mas ressuscitou aos cânticos da manhã, no fulgor de um jardim.

Emmanuel
Médium: Francisco Cândido Xavier


Comprovando a Reencarnação


"Comprovando a Reencarnação"

Gilberto Schoereder

Ainda não foi possível comprovar a reencarnação através das impressões digitais, mas a excelente idéia já está sendo aproveitada por João Alberto Fiorini e, em breve, é possível que tenhamos novidades nesse campo.
As técnicas para se investigar e comprovar possíveis casos de reencarnação já são conhecidas no meio espírita. Nos últimos anos, João Alberto Fiorini,delegado de polícia atuando na Agência de Inteligência do Paraná, vem desenvolvendo um novo método. Especialista em impressões digitais, ele entende que é possível confirmar um caso de reencarnação utilizando essa forma de pesquisa científica.
Esse caminho começou a ser seguido em 1999. Na época, João Alberto se recuperava de uma cirurgia realizada em São Paulo, e teve a oportunidade de ler um artigo publicado num jornal em 1935, escrito por Carlos Bernardo Loureiro. A matéria foi reproduzida no jornal da Federação Espírita do Estado de São Paulo, e se referia a um menino que tinha a mesma impressão digital de um homem que já havia falecido há dez ou quinze anos. O autor da matéria era um dos grandes estudiosos do assunto, na época, e gostava de comparar impressões digitais.
Fiorini sabia que não é possível existirem duas impressões digitais iguais, mas ainda assim, ele levou a história a sério e resolveu estudar mais: fazer uma pesquisa para saber se não haveria qualquer possibilidade de se encontrar duas impressões iguais.
"Eu já era espírita", explica João Alberto, "mas ainda não tinha feito qualquer pesquisa científica. A partir daí, comecei a fazer um estudo profundo sobre impressões digitais, pesquisando tudo o que poderia existir em livros brasileiros e norte-americanos,
na área da Medicina."
A pesquisa levou-o a conversar com membros do conselho de dermatologia do Paraná e a conhecer o trabalho do dr. Agnaldo Gonçalves, professor da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. Assim, ficou sabendo por que as pessoas têm impressões digitais, impressões palmares e as linhas nas mãos e nos pés. Em seu livro Anais Brasileiros de Dermatologia, o dr. Gonçalves diz que os desenhos formados nas mãos e pés estariam ligados à genética, variando de mão para mão, de raça e de sexo. "Se você verificar as impressões digitais das mulheres", informa Fiorini, "vai ver que elas têm uma tendência maior à presilha, que é um tipo específico de desenho". Mas uma parte da formação dessas linhas – e não se sabe ao certo o quanto –, pode estar relacionada aos movimentos do feto no útero. Mesmo no caso dos gêmeos univitelinos, as impressões digitais são diferentes.
Pesquisas Seguindo uma pesquisa realizada anteriormente em Cambridge, Inglaterra, Fiorini também observou as digitais de homossexuais. O estudo inglês havia mostrado que os homossexuais apresentavam características de impressões no polegar direito que se aproximavam das características femininas. Com uma pesquisa realizada principalmente com travestis, o pesquisador brasileiro comprovou que as digitais apresentavam a presilha de uma digital feminina, conhecimento que serviu de base para seus estudos posteriores.
O normal é que os homens não apresentem a presilha, mas sim, o verticilo, outro tipo de desenho. Então, ele se perguntou, por que os homossexuais não teriam o verticilo. A situação não fazia muito sentido, cientificamente falando. Ele também observou as digitais de mulheres criminosas, que deveriam apresentar presilha. Mas, ao estudar os sinais, percebeu que a incidência maior era de verticilo, a característica masculina. "Isso me surpreendeu muito", diz Fiorini, "e comecei a ver nas impressões digitais algo a que as pessoas não deram muita importância, como se não tivesse interesse científico."
Vendo pelo lado espiritual, explica Fiorini, uma pessoa, ao desencarnar, fica de 0 a 250 anos no plano espiritual. Em outras palavras, ela tanto pode reencarnar rapidamente, quanto pode demorar um tempo mais longo; mas o mais comum é que essa reencarnação ocorra dentro de um período de 40 a 70 anos. Se imaginarmos que uma mulher morre e retorna rapidamente, em mais ou menos dois anos, porém ocupando o corpo de um homem, ela virá então trazendo ainda as características femininas. Assim, segundo João Alberto, a questão envolvendo a homossexualidade nada tem a ver com desvio de personalidade, como muitas pessoas ainda insistem em dizer, mas está relacionada com a vida anterior e com o fato da reencarnação ocorrer muito próxima. "Eu cheguei a essa conclusão", ele conta. "Eu sou o único que está levando a pesquisa para esse lado. O dr. Hernani (Guimarães Andrade) também já pesquisou, mas ele fala apenas do tempo de intermissão. Eu vou além, entendendo que essas impressões digitais não se alteram quando o espírito reencarna."
Metodologia A seqüência lógica dos estudos e pesquisas do dr. João Alberto Fiorini foi entrar em contato com o dr. Hernani Guimarães Andrade, presidente do Instituto de Pesquisas Psicobiofísicas, em Bauru, São Paulo, a quem Fiorini considera um dos maiores cientistas do mundo em assuntos de reencarnação. Ele também é um nome muito respeitado por parapsicólogos, não apenas do Brasil, mas de todo o mundo.
Outro ponto de apoio para suas investigações foi o exaustivo trabalho do dr. Ian Stevenson, que já investigou mais de três mil possíveis casos de reencarnação, baseando-se em depoimentos de crianças. Stevenson, de reputação internacional, começou a coletar depoimentos de crianças de todas as partes do mundo, sempre que elas se referiam à sua existência numa encarnação anterior. Stevenson e sua equipe coletavam esses depoimentos, arrumavam as informações que as crianças forneciam sobre suas possíveis vidas passadas, e iam ao local em que elas teriam vivido para comprovar ou não essas informações. Os resultados obtidos foram tão impressionantes que grande parte da comunidade científica ficou abalada em suas convicções e noções, até então restritas sobre o tema reencarnação.
A pergunta que Fiorini fez ao dr. Hernani foi se era possível um espírito retornar com a mesma digital. Ele respondeu que acreditava ser possível; se a pessoa volta com marcas, sinais, cicatrizes, deformações e até mesmo doenças, por que não com as mesmas impressões digitais? Conversando com ele, estabeleceu um método de pesquisa que consiste em procurar crianças, geralmente entre os dois e quatro anos de idade, que tenham o costume de afirmar que viveram em outro lugar, em outra época, que tiveram determinado tipo de ações ou conheceram certas pessoas. Isso ocorre pelo fato do perispírito dessas crianças não estar acoplado ao corpo somático, adaptação que só irá ocorrer aos sete anos. Se o tempo de intermissão for muito curto – geralmente, no Brasil, essa reencarnação se dá de dois até oito anos – essas crianças começam a falar sobre suas vidas passadas. Assim, é possível coletar essas informações, da mesma forma como foi feito pelo dr. Ian Stevenson, e procurar os locais e pessoas aos quais elas se referiram. Se a pessoa em questão tiver registrada uma impressão digital, é possível então fazer a comparação desejada.
Pesquisa de Campo Fiorini está, agora, partindo para a investigação de casos aos quais tenha acesso. Ele diz que solicitou ao dr. Hernani que lhe fornecesse dados de casos de reencarnação que ele já tivesse pesquisado, mas por questões éticas, ele não pôde fornecê-los, aconselhando-o a procurar estudar novos casos.
Assim, quando esteve em São Paulo para participar do programa Espiritismo Via Satélite, João Alberto pediu que as mães que percebessem seus filhos falando sobre vidas passadas entrassem em contato com ele para que a investigação apropriada pudesse ser realizada. A idéia é que não se desprezem as coisas que as crianças digam, mesmo que pareça não ter muito sentido ou ser apenas produto da imaginação, anotando tudo num papel.
"Chegaram muitas cartas", explica Fiorini, comentando o resultado de sua participação no programa, e está dando seqüência às investigações. Ele ainda não atingiu seu objetivo na pesquisa científica das impressões digitais ligadas à reencarnação, mas acredita que em breve deverá ter novidades.
É claro que a comprovação de reencarnações também pode ser feita através de outros testes, como o exame grafotécnico, comparando-se a caligrafia da criança com a da pessoa que ela possivelmente teria sido na vida anterior. Da mesma forma com os exames médicos, ou seja, se uma pessoa morre subitamente, assassinada ou em desastres, ela reencarna com determinadas marcas e cicatrizes relacionadas ao evento em questão. O problema é que essas marcas vão desaparecendo com o tempo, de modo que a pesquisa tem de ser feita o quanto antes, enquanto as evidências estão mais nítidas.
Com tudo isso em mente, João Alberto Fiorini está dando seqüência ao seu trabalho de pesquisa e investigação, ao mesmo tempo em que prepara seu livro sobre o assunto. "O meu livro vai ensinar as pessoas a investigar a reencarnação, como uma receita", ele explica, entendendo que, se um número maior de pessoas se dispuser a tornar públicas as informações nessa área, a pesquisa será facilitada. Seria um livro para mostrar às mães, aos médicos e às pessoas que estejam intimamente ligadas a crianças de 0 a 7 anos de idade, como proceder nos casos citados, coletando o maior número de dados possíveis e anotando tudo o que a criança falar sobre uma possível vida passada, da mesma forma que foi feito na pesquisa do dr. Ian Stevenson e em outros estudos realizados na Índia.
Ainda é grande o número de pessoas que se sente constrangida em falar sobre o tema reencarnação, de modo que nem sempre é muito fácil encontrar quem fale abertamente sobre isso. Além disso, ainda existe o medo do sensacionalismo que alguns veículos promovem em torno de assuntos dessa natureza, afastando ainda mais as pessoas que desejam pesquisar seriamente a reencarnação.
Tendo em mãos as informações obtidas das crianças, Fiorini pode partir para a investigação propriamente dita, levantando os dados e fazendo as comparações. E, com um pouco de sorte, conseguindo fazer a avaliação das diferentes impressões digitais.
Assim, quem tiver qualquer relato sobre possíveis reencarnações, pode enviar para a revista Espiritismo & Ciência. Todo e qualquer relato será confidencial e repassado imediatamente para o delegado dr. João Alberto Fiorini, que realizará as investigações necessárias.
Os relatos podem ser enviados para:
Investigação em Ribeirão Preto Recentemente, João Alberto Fiorini esteve em Ribeirão Preto para ver de perto um caso envolvendo um garoto de cerca de oito anos, e que já havia sido relatado pela avó dele na revista Visão Espírita. Quando a criança tinha apenas três anos de idade, começou a fazer declarações espantosas, exatamente da forma como costuma acontecer com as crianças que se lembram de vidas passadas. Numa dessas declarações, ele disse à avó que, quando ele era grande e ela era pequenina, ele era seu pai. Dias depois, quando a avó esquentava o leite para ele, ele voltou a tocar no assunto, dizendo que quando ela era pequena, ele é que esquentava o leite para ela.
Em outras declarações, disse que, na outra vida, ele tocava numa orquestra e morava num sobrado; também se lembrou que morava numa fazenda, e descreveu o lugar com detalhes. Quando a avó perguntou se ele tinha visto aquilo na televisão, ele disse que estava se lembrando de outra vida.
As lembranças foram ficando escassas à medida que o garoto crescia, como Fiorini diz que costuma ocorrer com todas as crianças. É como se, aos poucos, elas fossem se esquecendo das vidas anteriores e de sua passagem pelo mundo espiritual, do qual aquele menino de Ribeirão Preto também tinha lembranças e contava algumas passagens.
Diz-se que, em 1999, no período em que as lembranças já eram mais raras, ele ouviu algumas palavras em espanhol e sabia o seu significado, como também conhecia o inglês. Ele disse que, se sabia espanhol e inglês, era porque já tinha vivido na Espanha e nos Estados Unidos.
Uma linha de pesquisa possível com relação à sua suposta vida anterior está ligada ao seu medo irracional das explosões de fogos de artifício, e a manchas escuras que ele apresenta nas pernas, que ficaram mais visíveis aos três anos de idade. A explicação do próprio menino é que, em outra vida, ele lutou numa guerra e levou tiros nas pernas; segundo ele, na guerra de 1968. Como ele conhecia muito bem o inglês e se referiu a uma guerra ocorrida em 1968, imediatamente a avó imaginou que ele pudesse estar se referindo ao Vietnã.
Fiorini tentou obter mais alguns dados que pudessem ajudá-lo a confirmar as informações obtidas através dos testes das digitais, mas não foi possível. Dos parentes aos quais o menino se referiu, não existem documentos que possam ser utilizados. E do possível jovem que lutou no Vietnã, é quase impossível saber alguma coisa sem dados mais concretos.
Ainda assim, é um bom registro, nos moldes do que foi feito pelo dr. Ian Stevenson, com informações sendo coletadas antes que a criança perdesse totalmente a lembrança dessas vidas anteriores, o que já está acontecendo.

Fonte: Revista Espiritismo & Ciência -Volume 02

Notícias maravilhosas de um anjo, chamado Erick

Mensagem recebida no Centro a Caminho da Luz em 06/11/2008


"DOCE MÃEZINHA"

Que as bênçãos de Deus sejam derramadas sobre nós e uma luz tão intensa se faça presente nesse ambiente de amor.
Jesus é e sempre será o nosso irmão de luz, que vai abrindo os nossos caminhos, minha mãe. Agradecemos por esta tarde tão intensa de oração aqui nessa casa de luz, que está permitindo esse nosso encontro tão feliz, mesmo que seja mentalmente dentro de nossos corações.
Mãezinha porque toda essa preocupação e ansiedade, o seu filho está aqui e não a esquece nem por um só momento, sempre estarei por perto e pedindo a Deus que a proteja, mesmo nas suas horas mais difíceis, minha doce mãezinha.
O tempo minha mãe se encarrega de tudo para nós, vamos aos poucos nos transformando em nossos pensamentos e cada dia sentimo-nos mais fortalecidos e toda aquela angústia e medo de viver num mundo espiritual vão dissipando-se da nossa memória e aos poucos vamos percebendo que não estamos sozinhos e que muitos companheiros espirituais estão sempre dando-nos as mãos para um novo progresso e aprendizado.
Minha mãe eu quero me preparar cada dia mais aqui, para que possa estar consciente do que estou fazendo, não posso permitir a mim mesmo, errar com aqueles que estão à minha volta.
Mãezinha o meu pai para mim, continua aquele herói como sempre foi.
Saudades eu sinto de todos vocês e da minha querida irmã, que sempre esteve ao meu lado, mesmo nas horas mais difíceis da minha vida.
Vovó Tereza e a vovó Anna sempre estão aqui comigo, e assim eu posso sentir-me cada vez mais amparado pelo amor que elas me dão.
Querida mãezinha receba mentalmente em suas mãos, nesse instante, esse lindo ramalhete de rosas amarelas, que estou lhe ofertando.
Beijos – beijos do seu filho, ERICK IBELLI
Mais uma mensagem lindíssima de nosso filho Erick, para abrandar a nossa saudade,
e diminuir a nossa ansiedade que aumenta a cada dia mais, à espera de notícias.
Realmente é o CORREIO FRATERNO da espiritualidade.
Como é bom sabermos que esse nosso sentimento
maravilhoso de amor, vence barreiras, segue pela eternidade e chega até nós,
nos trazendo e levando para quem amamos, mesmo em outra dimensão,
a pureza desse sentimento que nos mantém vivos
e fortalecidos, para podermos continuar a nossa caminhada pelo infinito, nos dando a certeza de reencontrarmos nossos entes queridos!!!

Irene Ibelli

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

A Grande Viagem

"A GRANDE VIAGEM"
Esta foto foi tirada quando eu, meu marido, minha filha Vanessa e meu filho Erick
estávamos indo para a Colônia de férias do Banespa no Guarujá.
Época maravilhosa vivida ao lado de nosso filho Erick, onde cada minuto, cada segundo valeu por milhões de anos!!!
Agradecemos a Deus por essa oportunidade, por essa convivência maravilhosa que só veio a fortalecer os nossos laços de amor.
Às vezes a saudade nos deixa muito deprimidos, a ponto de querermos nosso filho novamente ao nosso lado. Infelizmente não temos o sexto sentido, mas às vezes sentimos uma paz tão grande, que com certeza ele está nos inspirando esse sentimento e nos transmitindo muito amor e carinho. Precisamos aprender que agora o nosso contato não é mais físico, mas sim espiritual. Para nós ainda é difícil, pois estamos muito ligados à matéria e tudo isso ainda é muito recente para nós. Eu sei que se nos entregarmos à depressão, isso só irá nos prejudicar e ao nosso filho também, então procuramos ouvir música, enviar vibrações de luz, de paz, de amor e também pensar nos melhores momentos de nossa vida, momentos estes muito especiais vividos ao lado de nosso filho amado.
A vida deve ser vivida com muito amor aos nossos semelhantes, com certeza teremos outras chances de crescimento espiritual, mas igual a esta, acredito que não. Somos seres eternos, temos todo o tempo do mundo, estamos aqui para evoluirmos e ajudarmos aos nossos amigos, ou melhor ajudarmos ao nosso próximo.
E quem está mais próximo de nós, além de nossos parentes
ou amigos???
Acho que nós mesmos.
O mais importante é que o amor é o único sentimento que é eterno.
Vamos amar sem preconceito não importando a religião, a forma física das pessoas e nem
os bens materiais que elas tenham adquirido durante a sua vida.
Porque quando chegarmos do outro lado da vida, a nossa aura dirá tudo sobre nós.
Então vamos nos preparar para a grande viagem, pois depende só de nós,se ela será tranquila e cheia de alegrias
ou tumultuada e cheia de sofrimentos.
Irene Ibelli

Nascimento e Partida de Um Anjo


"SAUDADES DE UM ANJO"

Que saudade de você,
Você nasceu, foi um presente de DEUS
Que saudade de você,
Você cresceu, tão lindo
Que saudade de você,
A vida seguiu seu curso
Que saudade de você,
Você foi, e é um guerreiro
Que saudade de você,
Seus exemplos levaremos conosgo,pela eternidade
Que saudade de você,
Tudo que passamos, passamos juntos com muito amor
Que saudade de você,
As dificuldades só fortaleceram os nossos laços de amor
Que saudade de você,
Agradecemos a Deus por essa oportunidade
Que saudade de você,
Agora você partiu
Que saudade de você,
A saudade é imensa meu filho querido,
Mas estaremos juntos em pensamento,onde estiver
Que saudade de você,
Voe alto, o mais alto que puder pela eternidade
Que saudade de você,
Pois este é o nosso consolo Erick, meu filho!!!

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

3ª Psicografia com vídeo


Psicografia recebida no Centro a Caminho da Luz em 02/04/2008:
"Abaixo vídeo do Youtube"

Que as luzes que chegam neste coração de mãe, permaneça
sempre entre nós,
Agradeço ao Pai Maior pela imensa felicidade e pela oportunidade
de dar a mãe querida, palavras de conforto e gratidão,
Mãezinha, gratidão por ter me abraçado e por me receber com tanto amor, na trajetória que tive que seguir,
Obrigado pelas mãos doces que me acalentaram, e me fortaleceram
em muitos momentos de minha vida,
Obrigado por me receber, na intenção de me proteger, pois com o seu amor e sua proteção,
fui muito fortalecido, e trouxe muitos recursos para dentro de mim,
que puderam aliviar este grande compromisso que tivemos
com a espiritualidade,
Bendito seja a família, onde o nosso bem maior é a mãezinha de cada lar, que dá o sustento, que mede a paciência, e que recebe
a maioria dos problemas,
Bendito seja o pai, os irmãos que recebemos e que nos fortificam,
Mãe, obrigado pela irmã Vanessa, pois mesmo só tendo ela de irmã, recebia através da sua ligação, a força espiritual que muitas vezes me transmitia sem saber,
Mãe, estou fortalecido em DEUS, estou feliz por você ter sido minha mãe, e mais: conseguimos cumprir o que existe de mais sagrado; existir um só sentimento de amor de mãe e filho, te amo com a mesma porcentagem do teu amor,
Cumprimos mãe querida o dever de amar, é isto que faz valer
a vida em DEUS, que JESUS guie os teus passos, pois, existem sentimentos grandiosos dentro de ti, que precisa distribuir
a outros irmãos da Terra,
Eu te amo, não só por ser minha mãe, mas pela pessoa
que existe em você,
Mãe o teu amor, foi o primeiro remédio para minha cura no
hospital espiritual,
Abraço a todos, e a você mãe querida, assim como estou em
suas preces, nunca saiu um minuto do meu coração,

Erick Ibelli

Esta mensagem nos deixou muito emocionados por sentir o amor e o carinho
que o nosso filho Erick também sente por nós.
Ficamos muito felizes pela sua total recuperação
e a certeza de que o nosso amor foi
o principal remédio para a sua cura no hospital espiritual nos deixou muito aliviados.
Principalmente por saber que não só eu, como meu marido e minha querida filha Vanessa

conseguimos ajudá-lo a cumprir sua missão com muita fé,
paciência e tranquilidade.
E acima tudo de ter conhecimento, depois desta linda mensagem,
de que ele sentia em nossos pequenos gestos o amor que levávamos
por ele no coração.
Hoje sentimos esse amor aumentar cada dia mais dentro de nós.
Esse amor nos ilumina, nos dá forças e tem nos sustentado nas horas mais difíceis, onde a saudade nos deixa muito tristes e angustiados.

O AMOR PELO NOSSO FILHO É A FORÇA DE
QUE DISPOMOS E PRECISAMOS
PARA SEGUIR EM FRENTE.

Irene Ibelli


video